Manifestação leva 20 000 às ruas de Atenas em dia de greve geral

Cerca de 20.000 pessoas estavam concentradas a meio do dia de hoje no centro de Atenas e 14 000 em Salónica, no quadro da greve geral organizada pelas grandes centrais sindicais gregas contra austeridade.

Perto de 10 000 manifestantes, concentrados atrás de uma faixa apelando à "luta contra as medidas anti-sociais", escutavam discursos de dirigentes das duas grandes centrais sindicais: a Confederação dos Trabalhadores do sector privado (GSEE, um milhão de membros) e a do sector público (Adedy, 370 000 membros), antes do início do um desfile.

Cerca de 14.000 manifestantes estavam, por seu turno, reunidos em Salónica, a grande cidade do norte da Grécia, segundo fontes policiais.

Em Atenas, numerosos cartazes exibidos pelos manifestantes exortavam a que fossem "os ricos a pagar a crise" e criticavam a UE e o FMI, que conseguiram que o governo grego aplicasse medidas rígidas de austeridade em troca por um plano de salvamento da Grécia de 110 mil milhões de euros em três anos.

"O FMI e a UE roubam-nos um século de conquistas sociais", afirmava uma das faixas.

A manifestação foi convocada por ocasião de uma greve geral, a terceira desde fevereiro, organizada pelas duas centrais sindicais.

Por seu turno, o PAME, frente sindical do Partido Comunista (KKE, ultra-ortodoxo), que recusa tradicionalmente qualquer manifestação unitária, reunia cerca de 10 000 pessoas numa outra praça da capital grega.

Os grevistas preparavam-se para se manifestar do centro da capital até ao Parlamento, onde estão a ser discutidas em comissão as medidas de rigor e de austeridade exigidas pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional.


Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG