Londres acusa Espanha de "motivações políticas"

Um porta-voz do primeiro-ministro britânico disse hoje que as medidas de verificação das autoridades espanholas na fronteira com Gibraltar "têm motivações políticas e são totalmente desproporcionadas".

A tensão entre os dois países agravou-se depois do governo de Madrid ter ordenado às autoridades de fronteira o reforço do controlo alfandegário, algo que tem provocado longas filas de automóveis.

As medidas de Espanha foram adotadas depois de o governo do território ultramarino britânico de Gibraltar ter colocado 70 blocos de cimento no mar, para novos aterros, que dificultam a faina aos pescadores da baía de Algeciras.

Londres afirma, pela primeira vez desde o início da crise, que as verificações fronteiriças "têm motivações políticas" e que estuda a possibilidade de ações legais contra Madrid.

"Estamos a considerar a possibilidade de ações legais", disse o porta-voz de Downing Street (residência oficial do primeiro-ministro britânico), acrescentado que as mesmas têm de ser estudadas com "cuidado".

A via jurídica é mencionada depois de, no fim de semana, o governo espanhol ter mantido as verificações de fronteira aos veículos que entram ou abandonam Gibraltar e que, segundo a BBC, provocaram filas de duas horas.

"O primeiro-ministro sente-se claramente dececionado porque Espanha não retirou os controlos de fronteira adicionais este fim de semana", disse o mesmo porta-voz.

Downing Street não detalhou o tipo de ações legais mas vincou que as medidas apesar de terem "motivações política", não especificadas, são "totalmente desproporcionadas" e ilegais de acordo com a legislação britânica.

Mesmo assim, Londres tenciona envolver as instituições europeias em caso de querela jurídica e faz saber que "não mudou de políticas em relação a Gibraltar" mantendo-se "consistente" com as políticas em relação a territórios do ultramar.

Um navio de guerra britânico zarpa na terça-feira de Portsmouth, no sudeste de Inglaterra, em direção ao "Rochedo" no âmbito de manobras navais de "rotina", segundo o governo britânico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG