Karadzic foi "o motor" da limpeza étnica na Bósnia

O antigo líder político dos sérvios bósnios Radovan Karadzic foi "o motor" da limpeza étnica durante a guerra civil na Bósnia, afirmou hoje a acusação no julgamento que decorre no Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ).

"A política de limpeza étnica ficou claramente demonstrada, com o Dr. Karadzic como seu motor", incluindo algumas das piores atrocidades cometidas na Europa desde a II Guerra Mundial, disse o procurador Alain Tieger, que apresentou as alegações finais.

"As tragédias, uma por uma, são sua responsabilidade", acrescentou, dirigindo-se aos juízes.

Karadzic, 69 anos, enfrenta 11 acusações de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade pelo seu papel na guerra da Bósnia (1992-1995), que fez mais de 100.00 mortos e 2,2 milhões de deslocados.

Segundo a acusação, Radovan Karadzic, o presidente jugoslavo Slobodan Milosevic (1941-2006) e o general sérvio Ratko Mladic (em julgamento no TPIJ desde maio de 2012) agiram em conjunto para "limpar" muçulmanos e croatas da Bósnia dos territórios reclamados pela Sérvia após a desagregação da Jugoslávia, em 1991.

Membros das "Mães de Srebrenica", associação que representa as vítimas do massacre de 1995 em que quase 8.000 homens e rapazes muçulmanos foram mortos pelas forças sérvias bósnias, assistiram às alegações finais.

"Esperamos que o criminoso Karadzic seja condenado a prisão perpétua, que seja considerado culpado não apenas do genocídio de Srebrenica, como também do genocídio noutras cidades da Bósnia", disse a porta-voz da associação, Munira Subasic, antes do início da audiência.

Karadzic é também acusado do cerco de 44 meses a Sarajevo, durante o qual 10.000 pessoas foram mortas. "O medo impregnava cada dia de vida. Ações mundanas como atravessar a rua ou sair para buscar água implicavam risco de morte", afirmou a acusação.

Num documento divulgado na sexta-feira, o gabinete do procurador do tribunal considerou que a prisão perpétua "é a única pena apropriada".

Karadzic, que ouviu as alegações finais em silêncio, assegurou a sua própria defesa no julgamento, iniciado em 2008, e declarou-se inocente de todas as acusações.

Karadzic deverá dirigir-se ao tribunal na quarta e na quinta-feira.

O veredicto deve ser anunciado em outubro de 2015.

Exclusivos