Juncker saúda quem nomeou mulheres "competentes"

O presidente eleito da Comissão Europeia saudou hoje os governos de "inúmeros Estados-Membros" que responderam aos seus "apelos e insistências", para que fosse cumprido um critério de género, propondo-lhe mulheres "competentes" para o cargo de Comissárias Europeias.

No entanto, Juncker ainda não assegurou "um número significativo" que lhe permita ultrapassar a fasquia de nove comissárias do executivo de Durão Barroso.

"O senhor Juncker está a trabalhar numa comissão que inclua um número significativo de mulheres muito competentes e ele saúda do facto de inúmeros Estados-membros lhe terem apresentado candidatas muito competentes, depois do apelo e, por vezes, da insistência dele", afirmou.

Até agora dois Estados-membros ainda não apresentaram candidatos e Jean-Claude Juncker espera conseguir o objectivo também exigido pelo parlamento, que pode ainda colocar objeções à futura comissão, caso o critério de género não seja cumprido.

"Ele continua a trabalhar para aumentar mais esse número. É uma questão muito importante para ele, como ele focou nas orientações políticas", afirmou a porta-voz de Juncker, Natasha Bertaud.

A porta-voz recusa-se a esclarecer se Juncker está na disposição de rejeitar algum dos nomes propostos, caso não consiga "um numero significativo de mulheres". Natasha Bertaud remete, no entanto, para o número 7 do artigo 17.º do tratado de Lisboa que faz referência à necessidade de "comum acordo" do presidente eleito, para que a proposta de uma personalidade seja aceite como comissário.

"O Conselho, de comum acordo com o presidente eleito, adopta a lista das demais personalidades que tenciona nomear membros da Comissão. Essas personalidades são escolhidas, com base nas sugestões apresentadas por cada Estado-membro", refere o artigo.

Até ao final do mês, Jean-Claude Juncker não fará qualquer comentário sobre os nomes que lhe foram apresentados ou sobre as pastas possíveis para os futuros comissários. Mas, a porta-voz do futuro presidente eleito lembra que os objectivos traçados anteriormente por Jean-Claude Juncker vão dominar o exercício de reflexão a que se vai submeter ao longo deste mês, para tomar decisões.

"Nas reflexões dele, o presidente eleito será guiado pelo objetivos que conseguir uma comissão composta por políticos de grande perfil e competência, que tenham capacidade para apresentar resultados e seguir as prioridades políticas", afirmou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG