Violentos confrontos em Nápoles

Novos confrontos ocorreram ontem nos subúrbios de Nápoles, entre polícias e manifestantes que se opõem à abertura de um segundo aterro sanitário. Em Boscoreale, 25 quilómetros a sul de Nápoles, manifestantes partiram montras de lojas.

Após estes incidentes, o presidente da Câmara de Boscoreale, Gennaro Langella, membro do Partido do Povo da Liberdade (PDL) do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, anunciou a sua demissão. "É um problema muito grave não apenas para a saúde pública, mas também para a ordem pública. Estou muito preocupado em relação ao que se passa nesta região", declarou.

Durante a noite ocorreram violentos incidentes em Terzigno, a duas dezenas de quilómetros de Nápoles: centenas de manifestantes de cara tapada lançaram pedras e petardos contra polícias antimotim. A polícia recorreu ao gás lacrimogéneo, provocando o pânico entre os manifestantes, segundo a agência noticiosa italiana Ansa, que deu conta de dois feridos.

Foram lançados apelos à calma pelos organizadores da manifestação, mas sem sucesso.

Há várias semanas que os habitantes de Terzigno se manifestam quase diariamente para impedir o depósito de lixos no aterro sanitário local. Opõem-se também à abertura de um segundo aterro nas proximidades - o mais importante da Europa com capacidade para três milhões de toneladas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".