Violentos confrontos em Nápoles

Novos confrontos ocorreram ontem nos subúrbios de Nápoles, entre polícias e manifestantes que se opõem à abertura de um segundo aterro sanitário. Em Boscoreale, 25 quilómetros a sul de Nápoles, manifestantes partiram montras de lojas.

Após estes incidentes, o presidente da Câmara de Boscoreale, Gennaro Langella, membro do Partido do Povo da Liberdade (PDL) do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, anunciou a sua demissão. "É um problema muito grave não apenas para a saúde pública, mas também para a ordem pública. Estou muito preocupado em relação ao que se passa nesta região", declarou.

Durante a noite ocorreram violentos incidentes em Terzigno, a duas dezenas de quilómetros de Nápoles: centenas de manifestantes de cara tapada lançaram pedras e petardos contra polícias antimotim. A polícia recorreu ao gás lacrimogéneo, provocando o pânico entre os manifestantes, segundo a agência noticiosa italiana Ansa, que deu conta de dois feridos.

Foram lançados apelos à calma pelos organizadores da manifestação, mas sem sucesso.

Há várias semanas que os habitantes de Terzigno se manifestam quase diariamente para impedir o depósito de lixos no aterro sanitário local. Opõem-se também à abertura de um segundo aterro nas proximidades - o mais importante da Europa com capacidade para três milhões de toneladas.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.