Tropas dos EUA em Espanha não vêm para Portugal

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América (EUA) negou ter planos planos para enviar para Portugal o seu destacamento de Marines da base sevilhana de Morón de la Frontera, em Espanha.

De acordo a agência de notícias espanhola Efe, as Forças Armadas dos EUA realizaram treinos em Portugal, mas tal não significa que Washington vá a transferir a sua Força de Resposta Rápida de Morón, em Espanha, para a base aérea de Beja, no Alentejo, em Portugal.

"Não temos planos para mudar a localização das forças dos EUA de Morón (Espanha) para Beja (Portugal)", indicou à Efe a porta-voz do Pentágono para a Europa, Eileen Lainez, em comunicado.

"Continuaremos a trabalhar com Portugal no desenvolvimento de oportunidades de treino bilaterais, entre os quais os que acontecem agora", que incluem manobras de pelotões da Força de Resposta Rápida de Morón e membros do Corpo de Fuzileiros Navais de Portugal.

O diário português Público noticiou no fim de semana passado que os EUA exploravam a base aérea de Beja como alternativa a Morón para estabelecer a Força de Resposta Rápida Terra-Ar estabelecida por aquele país para atuar em situações de crise no norte de África.

A Força de Resposta Rápida dos Marines dos EUA foi criada em abril de 2013, na sequência do ataque de 11 de setembro de 2012 ao consultado norte-americano em Bengasi, na Líbia, no qual morreu um enviado de Washington àquele esse país, Chris Stevens, entre outros três americanos.

Washington e Madrid acordaram em abril de 2013 estender a missão por mais um ano, bem como o incremento da presença de tropas dos EUA dos 500 para os 850 efetivos, perante eventuais crises em África e na Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.