Tesouro do Nuestra Senora de las Mercedes está em casa

Foi a última etapa de uma viagem de começou há 200 anos.O tesouro regressou a Espanha, mas por razões de segurança não foi divulgado o local provisório onde foi colocado.

"Hoje termina uma jornada que começou há 200 anos. Completa-se assim a missão da Mercedes. Se eles (marinheiros) não conseguiram chegar ao seu destino, pelo menos a carga chegou." Foi emocionado que o embaixador de Espanha para os Estados Unidos, Jorge Dezcallar, reagiu ontem, em Tampa, Flórida, à partida do tesoura da Mercedes para o seu país.

"Hoje nós recuperamos um legado histórico e um tesouro. Isso não é dinheiro, é a nossa história", acrescentou Dezcallar na base militar onde um batalhão de trabalhadores estavam ocupados a preparar a expedição.

A aeronave com o tesouro chegou hoje ao seu destino. As 595 mil moedas vão agora ser analisadas e limpas por especialistas. Só depois será decidido onde irão ficar, mas o mais provável é, dada a quantidade, serem distribuídas por vários museus.

A fragata da Marinha espanhola Nuestra Señora de las Mercedes naufragou ao largo do cabo de Santa Maria, no Algarve, a 5 de outubro de 1804. Deixou Montevidéu, em agosto, ainda que a sua proveniência original fosse Lima, no Peru. Estava carregado de ouro e de prata. O naufrágio matou 249 marinheiros. 51 pessoas sobreviveram e narraram a trágica história.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.