Tesouro do Nuestra Senora de las Mercedes está em casa

Foi a última etapa de uma viagem de começou há 200 anos.O tesouro regressou a Espanha, mas por razões de segurança não foi divulgado o local provisório onde foi colocado.

"Hoje termina uma jornada que começou há 200 anos. Completa-se assim a missão da Mercedes. Se eles (marinheiros) não conseguiram chegar ao seu destino, pelo menos a carga chegou." Foi emocionado que o embaixador de Espanha para os Estados Unidos, Jorge Dezcallar, reagiu ontem, em Tampa, Flórida, à partida do tesoura da Mercedes para o seu país.

"Hoje nós recuperamos um legado histórico e um tesouro. Isso não é dinheiro, é a nossa história", acrescentou Dezcallar na base militar onde um batalhão de trabalhadores estavam ocupados a preparar a expedição.

A aeronave com o tesouro chegou hoje ao seu destino. As 595 mil moedas vão agora ser analisadas e limpas por especialistas. Só depois será decidido onde irão ficar, mas o mais provável é, dada a quantidade, serem distribuídas por vários museus.

A fragata da Marinha espanhola Nuestra Señora de las Mercedes naufragou ao largo do cabo de Santa Maria, no Algarve, a 5 de outubro de 1804. Deixou Montevidéu, em agosto, ainda que a sua proveniência original fosse Lima, no Peru. Estava carregado de ouro e de prata. O naufrágio matou 249 marinheiros. 51 pessoas sobreviveram e narraram a trágica história.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.