Queixa dos indignados contra Rodrigo Rato foi aceite

A queixa do 15M contra o ex-presidente do Bankia, bem como contra o antigo Conselho de Administração dessa entidade bancária foi aceite pelo juiz Fernando Andreu.

A Audiência Nacional aceitou a queixa apresentada pelo Movimento 15 de Maio (15M), também conhecido pelo movimento dos indignados, acusando o ex-presidente do Bankia, Rodrigo Rato, bem como o antigo Conselho de Administração da entidade bancária. Estes são acusados, entre outros delitos, por fraude, contabilidade falsa com o propósito de captar investimento e administração desleal, avançou o jornal "ABC", que cita a agência Efe.

Assim decidiu o juiz Fernando Andreu esta terça-feira, num auto onde admite a queixa e a junta à que já fora apresentada pelo partido UPyD.

O movimento 15M pediu na Audiência Nacional espanhola que seja decretada prisão preventiva, o congelamento das contas e a apreensão de bens de Rodrigo Rato, pela sua atuação enquanto presidente do Conselho de Administração do Bankia, que teve de receber apoio Estatal no valor de 23,5 mil milhões de euros.

A queixa do 15M visa não só Rodrigo Rato, que assumiu funções em setembro de 2011, como os restantes membros do Conselho de Administração do Bankia, que resultou da fusão de uma série de outras entidades bancárias de pequena e média dimensão em finais de 2010.