Protestos convocados contra proclamação de Felipe VI

Madrid, A Corunha (Galiza) e as capitais de província do País Basco são algumas das cidades espanholas que acolhem manifestações e protestos em defesa de um referendo sobre a monarquia, na semana da proclamação do novo rei espanhol, Felipe VI.

Uma das principais concentrações, marcada para a Puerta del Sol às 12:00 de quinta-feira, foi convocada pela Coordenadora Republicana de Madrid, uma das organizações que se tem mobilizado nas últimas semanas em defesa de um referendo sobre o modelo de Estado.

Os responsáveis pela iniciativa pretendiam, inicialmente, realizar uma manifestação entre a Puerta del Sol e a Praça Neptuno, próximo do Congresso de Deputados, mas o protesto não foi autorizado pela Delegação do Governo devido às medidas de segurança para a proclamação.

Em comunicado, a organização critica que as autoridades não tenham proposto um trajeto alternativo, considerando que a decisão "nega o direito à manifestação num momento político chave".

Também para quinta-feira estão marcadas várias concentrações nas três capitais de província do País Basco, convocadas pela força nacionalista basca EH Bildu, que contesta diretamente a proclamação de Felipe VI.

O mesmo ocorre na cidade galega de A Coruña, onde a Comissão Pela Recuperação da Memória Histórica (CRMH) convocou um protesto contra proclamação de Felipe VI, que conta com o apoio de várias organizações políticas, sindicais e sociais galegas.

Nas últimas semanas têm-se registado vários protestos contra a monarquia e a favor de um referendo sobre o modelo de Estado, algo rejeitado pelas forças maioritárias no parlamento.

Mais de 150 mil pessoas assinaram já petições online a favor de um debate parlamentar sobre o futuro modelo de Estado em Espanha e da realização de um referendo sobre a monarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.