Procuradora da Crimeia tornou-se sex symbol na Ásia

A procuradora-geral da República da Crimeia, reconhecida Estado soberano por Moscovo no passado dia 17, está a fazer sensação na Ásia.

No passado dia 11, e em entrevista a uma televisão russa, Natalia Poklonskaya afirmou que "o que se passou em Kiev foi, antes de mais, um golpe de Estado anti-constitucional e uma tomada de poder pelo exército". Na opinião da procuradora-geral da Crimeia, são ilegítimas as pessoas que ocupam cargos durante a transição em Kiev.

O vídeo com a entrevista de Natalia Poklonskaya, de 33 anos, acabou por chegar à internet. Mas sem legendas. Logo, o que está a fazer sensação é a figura da magistrada, como revela a revista Slate.

"Um tweet japonês que indica apenas "Eis a nova ministra da justiça oh oh oh ..." e o link para a sua conferência de imprensa foi retwitado cerca de dez mil vezes", indica o site Kotaku. E adianta: "E, no site de arte japonesa Pixiv, há agora fan art focalisado em Poklonskaya, oriundo do Japão mas também da Coreia do Sul e da China".

O site turco NationalTurk.com revela que fotos bastante sexy apareceram nas redes sociais e colocou-as em linha.

E no Reddit, discussões animadas privilegiam o sex-appeal da ministra do que propriamente a sua visão da geopolítica da região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.