Portugueses criam rádio na Irlanda do Norte

Um grupo de portugueses na Irlanda do Norte criou uma rádio na internet para tentar unir as comunidades lusófonas naquela região, disse um dos promotores à agência Lusa.

Daniel Gouveia referiu existir distanciamento geográfico e cultural entre os portugueses, brasileiros, africanos e timorenses, pelo que tentam refletir esta diversidade no tipo de música transmitida.

Lançada a 01 de dezembro, revelou Daniel Gouveia, a Rádio Portugal FM (http://www.radioportugalfm.com) transmite de segunda a sexta-feira entre as 09:30 e as 03:00 horas.

Instalada em Portadown, 50 quilómetros a sudoeste de Belfast, a rádio tem como próximo objetivo obter uma frequência para chegar a outras localidades com muitos portugueses, como Cookstown, Dungannon, Craigavon e Lisburn.

"Já temos alguma publicidade de comércio português, mas queremos também anunciantes locais", afirmou à agência Lusa.

Para tentar alargar a audiência, pretendem transmitir alguns concertos em direto de grupos norte-irlandeses e ter alguns programas em inglês a partir do início de 2013.

Daniel Gouveia, que foi candidato (derrotado) nas eleições locais de 2011 e tem um gabinete de assistência à comunidade portuguesa, diz continuarem a chegar muitos compatriotas.

Embora alguns consigam empregos, em fábricas de processamento de carnes ou outros trabalhos menos qualificados, muitos vivem de apoios sociais, referiu.

"Quase todas as semanas tenho clientes a pedir informações para amigos ou familiares com dificuldades em Portugal", contou.

Graças às ajudas sociais, ali "conseguem sobreviver", mesmo continuando no desemprego, garante Daniel Gouveia.

Segundo as próprias estimativas, o número de portugueses na Irlanda do Norte deverão rondar as quatro mil pessoas, o dobro do número de 2004.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.