Polícia só confirma morte de emigrante português segunda-feira

O Governo português já identificou um emigrante português que terá sido morto pela polícia sueca em 12 de maio, mas os responsáveis locais apenas se vão pronunciar sobre o caso na segunda-feira, disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário.

"Temos a informação, mas não está confirmada pela polícia sueca, e portanto há sempre o risco de não ser a pessoa em causa", disse à Lusa José Cesário, numa reação à notícia publicada hoje pelo tabloide sueco Aftonbladet sobre a morte pela polícia sueca, em 12 de maio, de um português radicado no país há mais de 30 anos.

No entanto, e de acordo com José Cesário, as autoridades policiais suecas ainda não confirmaram o incidente.

"Contactámos com Helsínquia e Estocolmo, a embaixada em Estocolmo está a acompanhar a situação, já tem falado com a polícia, só que a polícia diz que apenas a partir de segunda-feira poderão falar sobre o caso. E não confirmam", acrescenta.

Desta forma, a identidade da vítima apenas poderá ser confirmada oficialmente pela polícia sueca após o fim de semana.

"Sabemos quem é, localizámos a inscrição deste senhor, efetivamente corresponde a um inscrito que temos, e só sabemos que será ele pelo que circula por lá... mas não sabemos se realmente foi ele que foi o morto", concluiu José Cesário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.