Polícia só confirma morte de emigrante português segunda-feira

O Governo português já identificou um emigrante português que terá sido morto pela polícia sueca em 12 de maio, mas os responsáveis locais apenas se vão pronunciar sobre o caso na segunda-feira, disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário.

"Temos a informação, mas não está confirmada pela polícia sueca, e portanto há sempre o risco de não ser a pessoa em causa", disse à Lusa José Cesário, numa reação à notícia publicada hoje pelo tabloide sueco Aftonbladet sobre a morte pela polícia sueca, em 12 de maio, de um português radicado no país há mais de 30 anos.

No entanto, e de acordo com José Cesário, as autoridades policiais suecas ainda não confirmaram o incidente.

"Contactámos com Helsínquia e Estocolmo, a embaixada em Estocolmo está a acompanhar a situação, já tem falado com a polícia, só que a polícia diz que apenas a partir de segunda-feira poderão falar sobre o caso. E não confirmam", acrescenta.

Desta forma, a identidade da vítima apenas poderá ser confirmada oficialmente pela polícia sueca após o fim de semana.

"Sabemos quem é, localizámos a inscrição deste senhor, efetivamente corresponde a um inscrito que temos, e só sabemos que será ele pelo que circula por lá... mas não sabemos se realmente foi ele que foi o morto", concluiu José Cesário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.