Polícia dispersa manifestantes na Praça da Independência

A polícia ucraniana dispersou hoje os manifestantes na Praça da Independência, em Kiev, removendo as suas tendas e forçando-os a abandonar a zona, constatou no local o correspondente da Agência France Presse (AFP).

Milhares de polícias cercaram a praça e entraram no recinto, usando os seus vastos meios para afastar os manifestantes, informou a agência noticiosa francesa, acrescentando não haver sinais de violência na operação.

Apoiados numa decisão da Justiça e apelando aos manifestantes para manterem a calma, cruzaram as barricadas instaladas em várias extremidades da praça, durante a contestação nascida da recusa do Presidente, Viktor Ianoukovich, em assinar, no final de novembro, um acordo de associação com a União Europeia.

Os polícias desmontaram igualmente várias tendas que foram erguidas na praça.

"A polícia age em cooperação com os serviços autárquicos para retirar as barricadas que bloqueiam a passagem", indicou um porta-voz da polícia da capital ucraniana à AFP.

A televisão mostrou tratores e funcionários com coletes laranja a desmontar as barricadas formadas pelos manifestantes, empurradas para o interior da praça.

Algumas centenas de manifestantes, entre os quais se encontravam representantes da oposição, entoaram o hino ucraniano, num cenário em que foram ditas orações.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.