Papa diz "não julgar" os homossexuais

Na viagem de regresso ao Brasil, Francisco condenou o lóbi gay no Vaticano mas disse "não julgar" os homossexuais. Papa quer "aprofundar" o papel das mulheres na Igreja Católica, mas recusa a sua ordenação como sacerdotes.

"O problema não é ter essa tendência, é fazer lóbi. Para mim, é o problema mais grave. Se uma pessoa é gay e procura o Senhor de boa vontade, quem sou eu para a julgar", afirmou o Papa. "Os lóbis não são bons" mas "é preciso não marginalizar as pessoas que devem ser integradas na sociedade", afirmou Francisco, numa conferência de imprensa improvisada no avião entre o Rio de Janeiro e Roma.

Na viagem de regresso do Rio de Janeiro, o Papa disse que a proibição de as mulheres poderem tornar-se padres é "definitiva". Falando aos jornalistas durante o voo, Francisco disse: "A Igreja falou e diz que não. Essa porta está fechada". O Papa lembrou contudo que "não podemos imaginar uma Igreja sem mulheres ativas". É a primeira vez que o Papa fala em público deste tema.

No seu Twitter oficial em português, o Papa escreveu: "Estou de retorno a casa e lhes asseguro que a minha alegria é maior que o meu cansaço!" Francisco terminou ontem a sua primeira viagem oficial ao estrangeiro, tendo presidido à 28.ª Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, no Brasil.

Ler mais

Exclusivos