Nova operação do rei lança debate sobre renúncia

O rei Juan Carlos de Espanha foi operado na terça-feira a uma infeção na anca esquerda, intervenção que volta a avivar o debate sobre a possibilidade de renúncia, já rejeitada pelo monarca, e o papel do príncipe herdeiro Felipe.

A operação, que durou duas horas e meia, foi considerada "bem sucedida" pela Casa Real espanhola e permitiu a instalação de uma prótese temporária na anca esquerda, disse à imprensa Miguel Cabanela, que liderou a cirurgia.

Juan Carlos, de 75 anos, deverá voltar a ser operador dentro de "pelo menos oito semanas" para que lhe seja colocada uma prótese permanente, adiantou o médico, um dos maiores especialistas espanhóis que veio especialmente dos Estados Unidos.

Quando chegou de carro ao hospital privado de Quiron, em Pozuelo de Alarcon, nos subúrbios de Madrid, o rei, sorrindo, acenou aos jornalistas, respondendo com um "muito bom" quando questionado como estava.

Algumas horas mais tarde, quando a rainha Sofia chegou para visitar o marido, um homem nu veio até à entrada do hospital a gritar "Não aos crimes das secretas da CIA!", mas foi logo detido pelos serviços de segurança.

Depois das dificuldades no movimento e dores manifestadas nas últimas semanas, os médicos diagnosticaram uma infeção e decidiram realizar uma cirurgia, destinada a substituir a prótese que lhe tinha sido colocada em novembro de 2012.

Esta é a oitava cirurgia de Juan Carlos desde maio de 2010. Os problemas de saúde do rei, com uma imagem de um homem velho, visivelmente cansado, levou Espanha a debater a possibilidade de abdicar a favor do príncipe Felipe, que aos 45 anos consegue escapar à popularidade em declínio da monarquia espanhola.

Na sexta, o chefe da Casa Real, Rafael Spottorno, afirmou que "o rei, em nenhum momento, tem a intenção de abdicar", adiantando que este "não é impedido nas suas funções e não há necessidade de se considerar a regência".

O princípe Felipe representa apenas o pai, mas não substitui, nas cerimónias oficiais. E a Espanha poderá não ser representando pelo seu chefe de Estado para a próxima Cimeira Iberoamericana no Panamá, em 18 e 19 outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.