Merkel afirma que manifestantes pró-europeus devem "ser ouvidos"

A chanceler alemã, Angela Merkel, insistiu hoje que os ucranianos que se manifestam em defesa dos valores europeus devem "ser ouvidos".

A chanceler, que discursava perante o parlamento, elogiou as "corajosas manifestações" contra o Governo da Ucrânia, que em novembro suspendeu os preparativos para um acordo com a União Europeia.

"Muitas pessoas mostraram, com as corajosas manifestações, (...) que não querem virar as costas à União Europeia. Pelo contrário, elas batem-se pelos mesmos valores que nos animam na UE e devem ser ouvidas", disse Merkel na Bundestag (câmara baixa do parlamento alemão).

"A pressão das manifestações tornou possível negociações sérias e transparentes entre o Governo e a oposição sobre as reformas políticas necessárias", acrescentou.

O Governo alemão, designadamente através da sua embaixada em Kiev, "apoia, com todos os meios disponíveis, todos os esforços para uma resolução pacífica da crise e das exigências justificadas da oposição".

O Parlamento ucraniano está desde terça-feira reunido em sessão extraordinária para encontrar uma saída para o movimento de contestação que abala a Ucrânia há mais de dois meses e que escalou para violentos confrontos em meados de janeiro.

Na terça-feira, os deputados aprovaram a anulação da legislação limitando o direito à manifestação, cuja adoção, a 16 de janeiro, contribuiu para a radicalização da contestação.

Os deputados devem abordar hoje a questão mais sensível de uma amnistia para os manifestantes detidos durante confrontos com a política.

O partido no poder, o Partido das Regiões do Presidente Viktor Ianukovitch, exige como contrapartida o fim da ocupação do centro de Kiev e das administrações locais em cerca de metade das regiões do país.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.