Lukaschenko: "Melhor ser ditador do que gay"

Presidente bielorrusso respondeu às críticas que lhe foram feitas por dirigentes europeus, nomeadamente Guido Westerwelle, o ministro dos Negóciso Estrangeiros da Alemanha

Após ter sido apelidado como o último ditador da Europa pelo chefe da diplomacia alemã Guido Westerwelle, o Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukaschenko, respondeu assim: "Quando ouço alguém falar em ditadura penso: antes ditador do que gay".

O chefe do Estado bielorrusso, citado pela agência oficial Belta, referia-se ao facto de o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, do partido liberal, parceiro de coligação da CDU, ser assumidamente homossexual.

Lukaschenko tem sido alvo de sucessivas sanções da UE, por acusações de violação de direitos humanos e liberdade de expressão e de imprensa no seu país.

Ler mais

Exclusivos