Kerry afirma que Damasco não enganará o mundo

O secretário de Estado norte-americano afirmou hoje que o mundo não será "enganado" pelo regime sírio, recordando que o objetivo da conferência Genebra II, a decorrer na próxima semana, é trabalhar numa transição política na Síria.

"Ninguém será enganado", disse John Kerry em declarações à comunicação social em Washington, acrescentando que o objetivo da conferência de paz agendada para Montreux, Suíça, é "aplicar Genebra I", um acordo assinado em junho de 2011, mas nunca aplicado, que prevê um governo de transição na Síria.

Na mesma ocasião, o chefe da diplomacia norte-americana foi questionado pela comunicação social sobre uma carta da diplomacia síria dirigida às Nações Unidas, na qual Damasco advertiu que, de acordo com a sua opinião, o objetivo de Genebra II era lutar contra "o terrorismo" e não discutir uma "transição política".

John Kerry acusou o regime do Presidente sírio Bashar al-Assad de tentar desviar as atenções do objetivo das conversações de paz.

"Podem gritar, protestar e distorcer as coisas, o fundamental é que vamos para Genebra II para aplicar Genebra I e se Assad não fizer isso, abre a porta para uma resposta mais forte", indicou Kerry, reiterando que os Estados Unidos dispõem de várias "opções" no que diz respeito ao conflito sírio.

A poucos dias do início da conferência Genebra II, previsto para quarta-feira, o regime de Damasco comprometeu-se hoje com gestos "humanitários", mostrando disponibilidade para autorizar a passagem de caravanas de ajuda humanitária, para trocar prisioneiros com as forças rebeldes e aplicar um cessar-fogo em Alepo (norte da Síria).

Do outro lado, a oposição síria no exílio, profundamente dividida e sob forte pressão dos patrocinadores da iniciativa diplomática (Estados Unidos e Rússia), deve decidir em breve se participa ou não no encontro.

O conflito na Síria, que começou em março de 2011 na sequência da repressão de protestos antigovernamentais, já causou, de acordo com a organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 130.000 mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.