Juan Carlos e Felipe juntos em "momento histórico"

Juan Carlos, que abdicou segunda-feira à coroa espanhola e o seu sucessor, o seu filho Felipe de Borbón, participaram hoje juntos, numa reunião histórica da Ordem de San Hermenegildo, próximo ao panteão onde estão enterrados os restos mortais dos reis espanhóis.

Os dois membros da Casa Real chegaram ao Mosteiro de San Lorenzo de Escorial, nesta localidade a cerca de 60 quilómetros noroeste de Madrid, na mesma altura em que no Palácio da Moncloa, na capital, o Governo debatida a lei orgânica que começará o processo de formalização da abdicação do monarca,

Apoiado numa moleta, que trocava de mão para saudar e cumprimentar os principais convidados na parada militar que marcou o arranque do evento, Juan Carlos mostrou-se sorridente, até ao momento em que se ouvir o hino espanhol, onde deixou ver alguma emoção.

Ao seu lado, também emocionado, o ainda príncipe Felipe de Borbón, futuro Felipe VI, que já há cinco anos não participava com o pai nesta cerimónia castrense onde se homenagearam os caídos e onde haverá, à porta fechada uma reunião do capítulo da Ordem de San Hermenegildo, criada há dois séculos para premiar condutas militares.

A cerimónia decorre próximo do Panteão Real onde estão os restos mortais dos monarcas espanhóis.

Foi o primeiro ato oficial da Casa Real desde que na segunda-feira Juan Carlos anunciou que abdica para o filho, dando espaço ás novas gerações.

Este ato não prevê discurso de Juan Carlos ou do seu filho, pelo que se mantém a expectativa para os próximos atos onde os dois participam, dessa feita por separados.

Na quarta-feira Felipe de Borbón, acompanhado da futura rainha, Letizia, presidirá no Mosteiro de Leyre à entrega do Prémio Príncipe de Viana da Cultura e o rei intervirá, no Palácio do Prado, na entrega do Prémio Reino de Espanha á trajetória empresarial.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?