Irmão de Gerry Adams condenado por violar a filha

Liam Adams, irmão mais novo do líder do Sinn Féin, Gerry Adams, foi condenado a 16 anos de prisão por ter violado a própria filha entre 1977 e 1981. Aine Dahlstrom tinha apenas quatro anos de idade quando os abusos começaram, segundo o juiz, que foi citado pela agência noticiosa AFP.

Liam Adams, de 58 anos de idade, foi, segundo o juiz responsável pelo caso, declarado culpado da "pior traição possível". Alvo de um mandado de captura europeu, o irmão do líder histórico republicano entregou-se em 2010, tendo sido extraditado para a Irlanda do Norte.

Numa reação à sentença, a sobrinha de Gerry Adams aplaudiu, mas de acordo com o jornal irlandês 'Independent' sublinhou que considera pequena a pena de prisão que agora viu ser aplicada ao seu pai.

Apesar de, como nota a AFP, Gerry Adams ter sido ilibado pela polícia das acusações de que sabia dos abusos e encobriu o irmão, o caso ultrapassou as fronteiras de um assunto estritamente familiar para se tornar político.

Hoje, citado pelo mesmo jornal irlandês, Michael Martin, líder do Fianna Fáil (maior partido da oposição na República da Irlanda) sugeriu que o Sinn Féin e o IRA terão encoberto uma série de casos de abuso sexual. "Pode ter sido uma prática comum no movimento republicano", declarou, suscitando uma reação da número dois do Sinn Féin, Mary-Lou MacDonald, que classificou como "infelizes e falsas" as afirmações de Martin.

O Sinn Féin, que defende a unificação da ilha da Irlanda, está representado tanto no Parlamento da República da Irlanda (país membro da Zona Euro) como no parlamento autónomo da Irlanda do Norte (que ficou como província pertencente ao Reino Unido depois de uma guerra sangrenta de vários anos entre o IRA, os setores unionistas e as forças britânicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...