Hollande comete gafe e confunde japoneses com chineses

O Presidente francês cometeu hoje um lapso embaraçoso em Tóquio quando, evocando a tragédia do ataque a um campo de gás na Argélia em janeiro no qual morreram dez japoneses, recordou ter expressado as suas condolências "ao povo chinês"

"Recordo-me que o Japão foi atingido como a França pela crise de reféns na Argélia. Exprimo as condolências do povo francês ao povo chinês", disse o chefe de Estado francês numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Aparentemente, François Hollande não se aperceber do seu erro e prosseguiu com o seu discurso. A intérprete encarregue da tradução simultânea para japonês corrigiu o lapso.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.