Havia figurantes no carro do primeiro-ministro taxista

O primeiro-ministro norueguês fez furor na net com um vídeo que o mostrava no papel de taxista. Agora, descobriu-se que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes e receberam 65 euros pelo trabalho de apanhar um táxi.

Candidato às eleições legislativas de 9 de setembro, Jens Stoltenberg divulgou um vídeo em que se fazia passar por taxista. Durante o percurso tentava perceber junto dos passageiros quais as suas queixas e, ao mesmo tempo, divertia-se com as reações ao ser reconhecido (ou não).

As imagens fizeram sucesso nas redes sociais e a atitude do primeiro-ministro elogiada. Só que hoje um tablóide norueguês revelou que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes, pessoas selecionadas e pagas para executar aquele papel.

De acordo com o "Verdens Gang", cinco dos 14 passageiros conduzidos por Jens Stoltenberg não apanharam aquele táxi por acaso.

O Partido Trabalhista confirmou a história, mas garantiu que esses figurantes só sabiam que iam participar num vídeo partidário e que, para isso, deveriam apanhar o táxi. "A espontaneidade quando perceberam que o motorista era o primeiro-ministro era real", garantiu Pia Gullbrandsen, porta-voz do partido.

Cada um recebeu 500 coroas (cerca de 65 euros) "como forma de agradecimento". E os outros passageiros, aqueles que não foram pagos, não tiveram de pagar a viagem, garantiu o partido.

O responsável pela agência publicitária que concebeu o vídeo, Kjetil Try, muito próximo do primeiro-ministro, explicou ao jornal norueguês que recorreram aos figurantes para que houvesse diversidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.