Havia figurantes no carro do primeiro-ministro taxista

O primeiro-ministro norueguês fez furor na net com um vídeo que o mostrava no papel de taxista. Agora, descobriu-se que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes e receberam 65 euros pelo trabalho de apanhar um táxi.

Candidato às eleições legislativas de 9 de setembro, Jens Stoltenberg divulgou um vídeo em que se fazia passar por taxista. Durante o percurso tentava perceber junto dos passageiros quais as suas queixas e, ao mesmo tempo, divertia-se com as reações ao ser reconhecido (ou não).

As imagens fizeram sucesso nas redes sociais e a atitude do primeiro-ministro elogiada. Só que hoje um tablóide norueguês revelou que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes, pessoas selecionadas e pagas para executar aquele papel.

De acordo com o "Verdens Gang", cinco dos 14 passageiros conduzidos por Jens Stoltenberg não apanharam aquele táxi por acaso.

O Partido Trabalhista confirmou a história, mas garantiu que esses figurantes só sabiam que iam participar num vídeo partidário e que, para isso, deveriam apanhar o táxi. "A espontaneidade quando perceberam que o motorista era o primeiro-ministro era real", garantiu Pia Gullbrandsen, porta-voz do partido.

Cada um recebeu 500 coroas (cerca de 65 euros) "como forma de agradecimento". E os outros passageiros, aqueles que não foram pagos, não tiveram de pagar a viagem, garantiu o partido.

O responsável pela agência publicitária que concebeu o vídeo, Kjetil Try, muito próximo do primeiro-ministro, explicou ao jornal norueguês que recorreram aos figurantes para que houvesse diversidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.