Havia figurantes no carro do primeiro-ministro taxista

O primeiro-ministro norueguês fez furor na net com um vídeo que o mostrava no papel de taxista. Agora, descobriu-se que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes e receberam 65 euros pelo trabalho de apanhar um táxi.

Candidato às eleições legislativas de 9 de setembro, Jens Stoltenberg divulgou um vídeo em que se fazia passar por taxista. Durante o percurso tentava perceber junto dos passageiros quais as suas queixas e, ao mesmo tempo, divertia-se com as reações ao ser reconhecido (ou não).

As imagens fizeram sucesso nas redes sociais e a atitude do primeiro-ministro elogiada. Só que hoje um tablóide norueguês revelou que, afinal, alguns dos passageiros eram figurantes, pessoas selecionadas e pagas para executar aquele papel.

De acordo com o "Verdens Gang", cinco dos 14 passageiros conduzidos por Jens Stoltenberg não apanharam aquele táxi por acaso.

O Partido Trabalhista confirmou a história, mas garantiu que esses figurantes só sabiam que iam participar num vídeo partidário e que, para isso, deveriam apanhar o táxi. "A espontaneidade quando perceberam que o motorista era o primeiro-ministro era real", garantiu Pia Gullbrandsen, porta-voz do partido.

Cada um recebeu 500 coroas (cerca de 65 euros) "como forma de agradecimento". E os outros passageiros, aqueles que não foram pagos, não tiveram de pagar a viagem, garantiu o partido.

O responsável pela agência publicitária que concebeu o vídeo, Kjetil Try, muito próximo do primeiro-ministro, explicou ao jornal norueguês que recorreram aos figurantes para que houvesse diversidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.