Guterres pede "solução política" para conflito sírio

O responsável da ONU para os refugiados, António Guterres, considerou "vital" que as conversações de paz sobre a Síria, previstas para quarta-feira na Suíça, produzam uma "solução política" para o conflito.

Em paralelo, emitiu um novo apelo para uma ajuda internacional aos países que acolheram milhões de refugiados sírios, em particular na região do Médio Oriente e Turquia, desde o início do conflito interno em março de 2011.

"Sou suficientemente humilde para reconhecer que não existe solução humanitária para o problema. A solução é política", considerou o representante máximo do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) durante um encontro na Turquia sobre a situação dos países da região que recebem desde há quase três anos contínuas vagas de refugiados.

"É por isso que é muito importante enviar uma mensagem clara à comunidade internacional que se reúne em Genebra na próxima semana de que é absolutamente central terminar com este banho de sangue e encontrar uma solução política", referiu durante a reunião dos países de acolhimento (Iraque, Líbano, Egito, Jordânia e Turquia) organizada num campo de refugiados perto de Sanliurfa (sul da Turquia).

"Os sírios necessitam de paz e de poderem regressar ao seu país para o reconstruir", insistiu Guterres, que também apelou aos países do mundo para abrirem as suas fronteiras.

"Há apenas seis anos, a Síria era o segundo país do mundo a acolher refugiados, com mais de dois milhões de refugiados... Infelizmente, a Síria é hoje o país do mundo que origina mais refugiados", assinalou.

Guterres voltou a emitir um apelo à escala global para minimizar uma situação considerada dramática. "É um dever da comunidade internacional. É por isso que apelamos à abertura de todas as fronteiras, não apenas as dos países vizinhos", sublinhou. "Para mim é inaceitável que refugiados sírios morram afogados no Mediterrâneo ou sejam expulsos de outras fronteiras".

A conferência sobre a paz na Síria (designada Genebra II e que decorre dentro de cinco dias) deve tentar encontrar uma solução política suscetível de terminar com a guerra civil que já provocou mais de 130.000 mortos e milhões de refugiados e deslocados.

A ONU calcula em 4,7 milhões de euros o orçamento necessário para assistir os refugiados e deslocados. Na quarta-feira, uma conferência de doadores, reunida no Kuwait, anunciou ter reunido 1,7 mil milhões de euros de contribuições destinados às populações civis afetadas pelo conflito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.