Felipe VI proclamado Rei em sessão história das Cortes

O príncipe Felipe de Borbón vai ser hoje proclamado Felipe VI, rei de Espanha durante uma sessão histórica das Cortes Gerais espanholas.

Em Espanha um novo rei não é nem coroado nem entronizado, tendo que, em vez disso, prestar juramento e ser proclamado, com a Constituição a determinar que a Coroa é hereditária nos sucessores de Juan Carlos I de Borbón.

Felipe VI prestará um juramento em que se comprometerá a "desempenhar fielmente as suas funções, guardar e fazer guardar a Constituição e as lei e respeitar os direitos dos cidadãos e das Comunidades Autónomas".

O juramento vai ser feito no edifício do Congresso de Deputados onde haverá uma sessão conjunta das duas câmaras das Cortes, Congresso e Senado.

A jornada histórica começa às 09:30 (08:30 em Lisboa) no Palácio da Zarzuela, quando o rei Juan Carlos - que mantém o título apesar da abdicação - impuser ao filho a faixa de capitão-geral dos exércitos, cargo que Felipe VI assume com a chefia do Estado.

Depois, Felipe VI seguirá para o Congresso de Deputados onde receberá honras militares, entrando depois pela Porta dos Leões do Congresso, que só se abre para acontecimentos especiais.

Caberá ao presidente do Congresso, Jesús Posada, abrir a Sessão Solene de Juramento e Proclamação onde Felipe VI prestará juramento antes do seu primeiro discurso, que a Casa Real diz que irá ter um grande conteúdo político.

Acompanhado da rainha Letizia, Felipe VI fará depois um desfile por algumas das principais ruas do centro de Madrid até ao Palácio Real.

A previsão é de que os reis cheguem, sob escolta da Guarda Real a cavalo, ao Palácio Real cerca de 45 minutos depois, aparecendo depois na varanda conjuntamente com as suas filhas, Leonor princesa das Astúrias e a infanta Sofia, e com Juan Carlos e Sofia.

A partir das 13:00 deverá começar uma receção oficial com cerca de 2.000 convidados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...