Felipe VI proclamado Rei em sessão história das Cortes

O príncipe Felipe de Borbón vai ser hoje proclamado Felipe VI, rei de Espanha durante uma sessão histórica das Cortes Gerais espanholas.

Em Espanha um novo rei não é nem coroado nem entronizado, tendo que, em vez disso, prestar juramento e ser proclamado, com a Constituição a determinar que a Coroa é hereditária nos sucessores de Juan Carlos I de Borbón.

Felipe VI prestará um juramento em que se comprometerá a "desempenhar fielmente as suas funções, guardar e fazer guardar a Constituição e as lei e respeitar os direitos dos cidadãos e das Comunidades Autónomas".

O juramento vai ser feito no edifício do Congresso de Deputados onde haverá uma sessão conjunta das duas câmaras das Cortes, Congresso e Senado.

A jornada histórica começa às 09:30 (08:30 em Lisboa) no Palácio da Zarzuela, quando o rei Juan Carlos - que mantém o título apesar da abdicação - impuser ao filho a faixa de capitão-geral dos exércitos, cargo que Felipe VI assume com a chefia do Estado.

Depois, Felipe VI seguirá para o Congresso de Deputados onde receberá honras militares, entrando depois pela Porta dos Leões do Congresso, que só se abre para acontecimentos especiais.

Caberá ao presidente do Congresso, Jesús Posada, abrir a Sessão Solene de Juramento e Proclamação onde Felipe VI prestará juramento antes do seu primeiro discurso, que a Casa Real diz que irá ter um grande conteúdo político.

Acompanhado da rainha Letizia, Felipe VI fará depois um desfile por algumas das principais ruas do centro de Madrid até ao Palácio Real.

A previsão é de que os reis cheguem, sob escolta da Guarda Real a cavalo, ao Palácio Real cerca de 45 minutos depois, aparecendo depois na varanda conjuntamente com as suas filhas, Leonor princesa das Astúrias e a infanta Sofia, e com Juan Carlos e Sofia.

A partir das 13:00 deverá começar uma receção oficial com cerca de 2.000 convidados.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.