Ex-diretor do FMI já tem passaporte

O ex-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn recuperou o seu passaporte, anunciou hoje um dos seus advogados, em Nova Iorque, dois dias depois de lhe terem sido retiradas as acusações criminais.

"Posso confirmar que a polícia de Nova Iorque e os serviços do procurador [do Ministério Público] devolveram o passaporte a Strauss-Kahn", declarou Shawn Naunton aos jornalistas, em frente à casa do antigo patrão do FMI, em TriBeCa, no sul de Manhattan.

Strauss-Kahn aguardava a devolução do passaporte desde terça-feira, dia em que o Ministério Público lhe retirou as acusações de agressão sexual contra uma empregada de hotel, por falso testemunho desta.

Segundo a agência noticiosa AFP, o político e economista francês pretende reencontrar-se, na próxima semana, em Washington, com os seus antigos colaboradores do FMI, antes de regressar a França.

Sobre Strauss-Kahn recai ainda um processo cível, no qual a empregada de hotel, de nacionalidade guineense, reclama uma indemnização, cujo montante não foi revelado.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.