EUA tinham 19 equipas de espionagem na Europa em 2010

Os Estados Unidos tinham, em 2010, cerca de 80 equipas de espionagem da CIA e da NSA em todo o mundo, 19 das quais nas principais capitais europeias, como Madrid, Berlim, Paris, Roma, Praga ou Genebra, segundo o semanário alemão Der Spiegel.

De acordo com um excerto de um artigo que vai sair no domingo, citado pela agência espanhola EFE, a revista revela informações de caráter reservado dos serviços de informações dos Estados Unidos, segundo os quais o telemóvel da chanceler alemã, Angela Merkel, está na lista de objetivos da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla original), desde 2002.

Baseando-se em documentos da agência, o telemóvel de Merkel continuava a ser escutado até poucas semanas antes da visita de Barack Obama a Berlim, em junho.

Segundo o mesmo artigo, o número da chanceler alemã aparece listado como 'GE Chancellor Merkel', mas não é especificado que tipo de comunicações eram espiadas, se todas as conversas ou apenas os dados dos contactos.

Uma unidade chamada 'Special Collection Service" (SCS) estava encarregue de recolher a informação, com a ajuda de uma equipa, não registada legalmente, dentro da embaixada dos Estados Unidos em Berlim.

Para além do telemóvel da chanceler, a equipa que operava na embaixada, situada perto da emblemática Porta de Brandeburgo, a menos de um quilómetro da chanceleria, trabalhavam técnicos da NSA e da CIA, encarregados de espiar com sofisticadas antenas as comunicações dos quarteirões onde se encontram os principais edifícios do governo alemão.

Se essas instalações fossem identificadas como postos de escuta, isso "danificaria gravemente as relações dos EUA com um governo estrangeiro", reconhece-se no documento da SCS classificado como "muito secreto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.