EUA tinham 19 equipas de espionagem na Europa em 2010

Os Estados Unidos tinham, em 2010, cerca de 80 equipas de espionagem da CIA e da NSA em todo o mundo, 19 das quais nas principais capitais europeias, como Madrid, Berlim, Paris, Roma, Praga ou Genebra, segundo o semanário alemão Der Spiegel.

De acordo com um excerto de um artigo que vai sair no domingo, citado pela agência espanhola EFE, a revista revela informações de caráter reservado dos serviços de informações dos Estados Unidos, segundo os quais o telemóvel da chanceler alemã, Angela Merkel, está na lista de objetivos da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla original), desde 2002.

Baseando-se em documentos da agência, o telemóvel de Merkel continuava a ser escutado até poucas semanas antes da visita de Barack Obama a Berlim, em junho.

Segundo o mesmo artigo, o número da chanceler alemã aparece listado como 'GE Chancellor Merkel', mas não é especificado que tipo de comunicações eram espiadas, se todas as conversas ou apenas os dados dos contactos.

Uma unidade chamada 'Special Collection Service" (SCS) estava encarregue de recolher a informação, com a ajuda de uma equipa, não registada legalmente, dentro da embaixada dos Estados Unidos em Berlim.

Para além do telemóvel da chanceler, a equipa que operava na embaixada, situada perto da emblemática Porta de Brandeburgo, a menos de um quilómetro da chanceleria, trabalhavam técnicos da NSA e da CIA, encarregados de espiar com sofisticadas antenas as comunicações dos quarteirões onde se encontram os principais edifícios do governo alemão.

Se essas instalações fossem identificadas como postos de escuta, isso "danificaria gravemente as relações dos EUA com um governo estrangeiro", reconhece-se no documento da SCS classificado como "muito secreto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.