Erdogan vai reunir-se com manifestantes amanhã

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, vai reunir-se amanhã com representantes dos manifestantes que exigem há onze dias a sua demissão, anunciou hoje um porta-voz do Governo da Turquia.

"O nosso primeiro-ministro marcou um encontro para quarta-feira com alguns dos grupos que organizam estas manifestações. Irá reunir-se com outros noutra altura", disse ontem o vice-primeiro-ministro, Bülent Arinç.

O responsável do Governo falava aos jornalistas no final de uma reunião do conselho de ministros.

Os manifestantes continuam a não querer desmobilizar, na capital, Ancara, mesmo após intervenções da polícia antimotim, que tentou mais uma vez afastar milhares de manifestantes recorrendo a gás lacrimogéneo e a jatos de água.

Esta abertura para um encontro surge na sequência de uma série de iniciativas de Erdogan para instigar os apoiantes do seu Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP) através de uma forte retórica combativa.

"Aqueles que não respeitarem o partido no poder vão pagar um preço", afirmou perante milhares de seguidores em Ancara, a apenas alguns quilómetros dos conflitos na praça Kizilay, na baixa da cidade, no âmbito da onda de protestos contra o Governo que dura há já duas semanas.

"Temos sido pacientes, continuamos pacientes, mas há um limite para a nossa paciência", alertou Erdogan.

Os confrontos começaram a 31 de maio, com a forte reação policial a uma campanha para evitar a demolição do Gezi Park, em Istambul, localizado junto à praça Taskim. Os atritos acabaram por se replicar por todo o país, com manifestações contra Erdogan e o seu partido, encarado como crescentemente autoritário.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?