Eleitores votam em legislativas boicotadas pela oposição

Os eleitores da Bielorrússia começaram hoje de manhã a votar em eleições legislativas, boicotadas pelos principais partidos da oposição, que denunciam múltiplas violações dos procedimentos eleitorais.

Cerca de sete milhões de eleitores são chamados às urnas desde as 08:00 (06:00 em Lisboa) e até às 20:00 (18:00 em Lisboa) para escolher os 110 deputados do parlamento desta antiga reública soviética, que tem 9,5 milhões de habitantes.

Estas eleições, no país mais fechado da Europa, ocorrem dois anos depois da controversa reeleição do presidente Alexandre Lukachenko para um quarto mandato.

"Vou votar, é o nosso dever", disse à AFP Nikolaï, reformado e residente em Minsk. Depois das eleições de 2010, dezenas de milhares de manifestantes saíram à rua, em Minsk, para denunciar fraudes maciças.

Várias detenções e condenações seguiram-se a estas manifestações e um ex-candidato à presidência, bem como uma dezena de militantes da oposição e defensores dos direitos humanos continuam detidos.

A União Europeia reforçou, no início do ano, as sanções contra perto de 250 responsáveis bielorrussos para protestar contra a repressão exercida sobre os opositores.

Muito isolada na cena internacional, Minsk voltou-se para Moscovo, para apoio e ajuda financeira.

A Bielorrússia atravessou uma grave crise económica em 2011, com a inflação a atingir o nível recorde de 108 por cento. Uma forte desvalorização da moeda permitiu reencontrar um equilíbrio frágil.

Os dois principais movimentos de oposição - o Partido Cívico Unido e a Frente Popular bielorrussa - anunciaram na semana passada que vão boicotar as legislativas e apelaram aos eleitores para não votarem e denunciar múltiplas violações do processo eleitoral.

Sinal de que a tensão está a aumentar, vários jornalistas bielorrussos e estrangeiros foram detidos na terça-feira, em Minsk, durante uma ação de campanha da oposição, de acordo com a Associação dos Jornalistas bielorrussos.

A UE manifestou recentemente preocupação e dúvidas de que as liberdades de expressão, associação e reunião sejam respeitadas.

Durante os últimos quatro anos, o papel dos deputados limitou-se à aprovação das escolhas da presidência bielorrussa, de acordo com a oposição e os observadores.

Ao contrário dos dois principais partidos da oposição, pequenos movimentos oposicionistas, como a formação Dizer a Verdade do ex-candidato presidencial Vladimir Nekliaiev, decidiram participar no escrutínio.

Mas, a grande maioria dos candidatos são funcionários leais a Lukachenko e nenhum deputado crítico do poder foi eleito nas legislativas de 2008, o que se pode repetir no domingo.

Até 20 por cento dos eleitores podem boicotar as eleições, mas a participação será, sem dúvida, superior a 50 por cento, limite mínimo necessário para que o escrutínio seja válido, de acordo com o sociólogo independente Oleg Manaiev.

As autoridades bielorrussas criticaram os apelos ao boicote e Lukachenko deu a entender que esta decisão da oposição tinha sido ditada pelo estrangeiro.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.