Eleição de deputados da oposição "pouco provável"

A Comissão Central Eleitoral da Bielorrússia considerou "pouco provável" que a oposição tenha conseguido eleger um deputado nas eleições legislativas de hoje.

A presidente da Comissão, Lidya Yermochina, indicou que 109 dos 110 deputados estão eleitos e citou os respetivos apelidos, sem indicar se são ou não apoiantes do presidente Aleksandr Lukachenko.

Questionada em conferência de imprensa se a oposição tinha eleito deputados, a responsável afirmou que "é pouco provável" e que "nenhuma das regiões enviou informações nesse sentido".

A Comissão divulga os nomes dos deputados porque, na Bielorrússia, não existe partido do poder mas, segundo analistas, o novo parlamento será composto exclusivamente por deputados pró-Lukachenko.

Yermochina indicou também que a taxa de participação foi de 74,3 por cento, um número contestado pela oposição, cujos observadores apontam para uma participação de 38 por cento.

Sete milhões de eleitores foram chamados hoje às urnas para eleger os 110 deputados do parlamento desta antiga república soviética, considerada o país mais fechado da Europa.

Estas eleições realizam-se dois anos depois da controversa reeleição de Lukachenko para um quarto mandato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.