Depois das mães, polícias de Gerona nus por solidariedade

Foi para ajudar Raúl Cardona que os mossos d'esquadra de Gerona decidiram tirar a roupa para um calendário solidário. Proibidos de usar símbolos oficiais da polícia, as pistolas são de brincar e os bonés falsos, mas as vendas do calendário estão a correr bem.

"Há dez anos a minha mãe teve um cancro. A Associação Espanhola contra o Cancro ajudou-a muito. A ela e a toda a nossa família, nesses momentos difíceis. Fazem uma trabalho que não podemos agradecer o suficiente, por isso decidi fazer algo espacial para os ajudar", explicou Raúl Cardona ao ABC.

O seu primeiro passo foi encontrar outros mossos d'esquadra que alinhassem no seu projeto de calendário solidário, com fotos de nus. "No fim éramos 16, dez omens e seis mulheres. E em maior começámos a preparar o calendário", afirma Cardona.

Jogos de futebol, aulas, exercícios de treino ou simplesmente uma parada em que os agentes lançam os bonés ao ar, são todas situações retratadas no calendário dos mossos d'esquadra de Gerona.

A ideia dos calendários sexys e solidários parece estar a ganhar adeptos em Espanha. Na semana passada surgiu a notícia de que as mães do colégio Evaristo Calatayud de Montserrat, perto de Valência, conseguiram o dinheiro que queriam angariar para comprar um autocarro de transporte escolar com calendário em que surgiam semi-nuas e em poses sexys.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.