Depois das mães, polícias de Gerona nus por solidariedade

Foi para ajudar Raúl Cardona que os mossos d'esquadra de Gerona decidiram tirar a roupa para um calendário solidário. Proibidos de usar símbolos oficiais da polícia, as pistolas são de brincar e os bonés falsos, mas as vendas do calendário estão a correr bem.

"Há dez anos a minha mãe teve um cancro. A Associação Espanhola contra o Cancro ajudou-a muito. A ela e a toda a nossa família, nesses momentos difíceis. Fazem uma trabalho que não podemos agradecer o suficiente, por isso decidi fazer algo espacial para os ajudar", explicou Raúl Cardona ao ABC.

O seu primeiro passo foi encontrar outros mossos d'esquadra que alinhassem no seu projeto de calendário solidário, com fotos de nus. "No fim éramos 16, dez omens e seis mulheres. E em maior começámos a preparar o calendário", afirma Cardona.

Jogos de futebol, aulas, exercícios de treino ou simplesmente uma parada em que os agentes lançam os bonés ao ar, são todas situações retratadas no calendário dos mossos d'esquadra de Gerona.

A ideia dos calendários sexys e solidários parece estar a ganhar adeptos em Espanha. Na semana passada surgiu a notícia de que as mães do colégio Evaristo Calatayud de Montserrat, perto de Valência, conseguiram o dinheiro que queriam angariar para comprar um autocarro de transporte escolar com calendário em que surgiam semi-nuas e em poses sexys.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.