Creches obrigadas a pagar direitos por canções de Natal

Uma empresa de direitos de autor da Alemanha exige aos jardins-de-infância do país o pagamento de uma verba para que as crianças possam cantar músicas de Natal, noticia hoje a imprensa alemã.

A questão - exigência do pagamento de direitos de autor para fotocopiar letras de canções de Natal recentes - deriva da "estupidez burocrática", diz hoje o jornal alemão Bild, que apela ao auxílio da presidente da Comissão da Família do Parlamento alemão, Sibylle Laurischk.

"Cantar nos jardins-de-infância é parte da educação de base. A GEMA (sociedade de gestão e exploração de direitos de autor) deveria dar gratuitamente os direitos de autor aos jardins-de-infância", já afirmou Sibylle Laurischk, citada pela agência noticiosa France Press.

Bettina Müller, a porta-voz da GEMA, que gere a propriedade intelectual de 60 mil associados alemães e de mais de um milhão de detentores de direitos estrangeiros, diz que a questão não é nova, e que renasce sempre na altura do Natal, quando as representações musicais se multiplicam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.