Calendário com os padres mais giros por 10 euros

Cada mês é representado pela imagem de um padre, com batina e ar composto. Longe de outros calendários que ganharam fama por mostrar o corpo, este é o "souvenir" mais vendido em Roma.

O calendário, que não tem o apoio do Vaticano, é um sucesso desde que foi lançado pela primeira vez, em 2004. Iniciativa do fotógrafo Piero Pazzi, custa dez euros e inclui um guia turístico da cidade do Vaticano.

Para cada mês, o calendário mostra a imagem de um padre. Os 12 são alegadamente os mais atraentes que circulam pelo Vaticano (veja as fotos). Um conceito que faz lembrar outros calendários feitos por esse mundo fora (como o da Pirelli), em que a beleza do corpo é o fundamental. Aqui, todos os padres estão vestidos com a sua sóbria batina preta e são fotografados depois de abordados na rua pelo fotógrafo.

De acordo com o site El Plural, o Calendário Romano é o "souvenir" mais vendido em Roma, onde se pode encontrar em qualquer loja ou quiosque de lembranças, ao lado das canecas com a cara do papa Francisco ou de terços e estatuetas religiosas. Mais: o calendário está a transformar-se num objeto de culto para a comunidade homossexual.

Também pode ser adquirido na Internet, onde é apresentado como o "'souvenir' mais típico de Roma".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.