Avião da Ryanair esteve prestes a cair em setembro

A revista alemã "Der Spiegel" revela que o avião que cobria a rota Manchester-Memmingen, com 141 pessoas a bordo, teve sérias dificuldades para aterrar, no passado dia 23 de setembro.

O painel de controlo da cabine ficou repentinamente vermelho, e os sinais de alarme começaram a aparecer, conta a publicação alemã, sobre o que parece ter sido um atribulado voo da companhia low cost Ryanair. Ao que parece, o avião terá estado prestes a chocar com a pista de aterragem. Tudo aconteceu porque os pilotos tentaram respeitar a hora de aterragem, realizando uma manobra perigosa na fase de aproximação à pista, que esteve a ponto de lhes custar a vida.

O voo partia de Manchester e levava 141 pessoas a bordo, escapando "milagrosamente" do desastre durante uma tentativa quase falhada de aterragem no aeroporto de Memmingen, na Alemanha. A apenas 140 metros do solo, o avião começou a descer "com uma velocidade excessiva", de acordo com uma reconstituição realizada pela revista "Der Spiegel". Terá sido apenas no último momento antes do embate no chão que os pilotos conseguiram levantar a parte dianteira do avião. No cockpit viveram-se momentos de pânico.

Já há vários meses que a Ryanair está no centro de diversas polémicas por questões de segurança. No passado mês de julho, três aviões da companhia low cost, que partiram de Madrid, tiveram de realizar uma aterragem em Valência por falta de combustível. Outro problema aconteceu em setembro, quando um voo teve de voltar para trás devido a problemas com a pressurizarão da cabina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.