"Agora é hora de um apoio palpável"

Um dia depois de a União Europeia e os EUA terem anunciado a imposição de sanções económicas contra o regime russo de Vladimir Putin, Leonid Tretiak, encarregado de negócios da embaixada da Ucrânia em Lisboa, diz ter esperança de que haja ainda algum bom-senso em Moscovo.

"Não sou Putin, não posso prever a reação dele, mas espero que no Governo russo venha a prevalecer o bom-senso", disse num encontro com a imprensa, depois de terem sido anunciadas sanções nas áreas das finanças, armamento e energia contra a Rússia por causa do seu apoio aos separatistas no leste da Ucrânia.

Numa comunicação feita ontem à noite, o Presidente dos EUA, Barack Obama, reafirmou o apoio às autoridades ucranianas e deixou avisos à Rússia, sentindo no entanto a necessidade de esclarecer que não se está a caminho de uma nova guerra fria entre o Ocidente e Moscovo.

"Em relação aos EUA esta ajuda é real e significativa. Acho que o tempo do apoio só com palavras terminou e agora é hora de um apoio palpável", disse, enumerando a importância da aplicação das sanções, da ajuda para criar condições para o diálogo entre as partes em conflito e acabar com os confrontos, do apoio real que é preciso dar posteriormente à economia ucraniana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...