Afluência de 66% apesar do boicote da oposição

A Comissão Eleitoral Central (CEC) da Bielorrússia anunciou hoje que 66 por cento dos eleitores inscritos votaram nas legislativas de hoje apesar do boicote da maioria da oposição, noticiou a agência EFE.

O despacho da EFE que cita a presidente da CEC, Lidya Yermoshina, em conferência de imprensa, adianta que a participação "superou as expectativas" e que os resultados preliminares serão anunciados ainda hoje à noite.

As 6.305 assembleias de voto encerraram às 20:00 locais (18:00 em Lisboa) e um total de 293 candidatos concorreram aos 110 lugares da câmara de deputados do parlamento.

Apenas três grupos da oposição participaram nas eleições, com 26 candidatos.

Cinco partidos da oposição já afirmaram que não reconhecerão os resultados destas eleições que decorreram, afirmaram, nas condições impostas pelo Presidente, Alexander Lukashenko, no poder desde 1994.

A oposição considerou inflacionados os dados relativos à afluência às urnas, adiantando que não tem sentido votar depois do que se verificou nas presidenciais de 2010, quando centenas de opositores foram detidos e vários candidatos presidenciais encarcerados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.