Adolescente com cancro terminal angaria três milhões

Um adolescente britânico de 19 anos, que sofre de cancro do intestino desde há quatro anos, recolheu até hoje 2,5 milhões de libras, o equivalente a três milhões de euros.

Apesar da sua doença incurável, Stephen Sutton, natural de Staffordshire, no centro de Inglaterra, decidiu não desistir da vida e realizar uma lista de 46 dos seus sonhos. Entre eles, o de angariar dez mil libras, ou 12 mil euros, para a Teenage Cancer Trust, uma fundação de luta contra o cancro nos jovens. Um objetivo mais do que alcançado. Hoje, os donativos entregues através do JustGiving tinham ultrapassado os três milhões de euros - algo nunca visto neste 'site' de financiamento participativo dedicado a campanhas de caridade.

"Stephen, tu és extraordinário. É um privilégio apoiarmos a tua recolha de fundos. Bateste todos os recordes no nosso 'site'. Nós próprios vamos fazer um donativo de 50 mil libras [60 mil euros]", anunciara ontem a direção do 'site' JusGiving.

"Observar todas estas pessoas mobilizarem-se desta forma, é realmente reconfortante e emocionante. Obrigado por mim e por todos aqueles que sofrem de cancro e que vão beneficiar desses donativos no futuro", escreveu Sutton na sua página do Facebook.

"Atualmente, sinto-me bem. A minha condição é estável", precisou ainda o adolescente, que se encontra hospitalizado.

Apoiado pelo ator e apresentador de televisão Jason Manford, Sutton iniciou a sua campanha em janeiro de 2013 para manter as pessoas informadas sobre a progressão da doença. Desde então, tem recebido o apoio de inúmeras personalidades e pessoas anónimas.

Esta semana, os donativos aumentaram consideravelmente.

Entre os outros desejos da sua lista, Sutton já realizou uma parte. Entre eles, o de tocar bateria para 90 mil pessoas na final da Liga dos Campeões de 2013 em Wembley, praticar moto4, beijar um elefante e saltar de paraquedas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".