Vários candidatos da oposição participam em manifestação no centro de Minsk

Cinco dos nove candidatos da oposição ao cargo de Presidente da Rússia reuniram-se junto da Casa dos Sindicatos, no centro da capital bielorrussa, onde decorre uma manifestação de protesto contra a forma como decorreram as eleições presidenciais.

Um deles, Nikolai Statkevitch, declarou que as sondagens à boca das urnas dão a Alexandre Lukachenko "apenas 31% dos votos". O sexto candidato, Vladimir Niklaev, foi agredido pela polícia e transportado para o hospital com um traumatismo craniano. Segundo jornalistas presentes no centro de Minsk, mais de dez mil pessoas com bandeiras vermelhas e brancas bielorrussas, panos com a inscrição "Viva a Bielorrússia!", gritam "eleições livres sem Lukachenko!". Os manifestantes cortaram algumas das artérias centrais da cidade e dirigem-se para o edifício da Comissão Eleitoral Central.

Entretanto as autoridades, através de instalações de som no local, tentam que os manifestantes não ouçam os apelos dos dirigentes da oposição. Perto do local onde se encontram os manifestantes há autocarros com polícia, mas esta ainda não começou a actuar.

Os adversários de Lukachenko, através da Internet, apelam aos bielorrussos a dirigirem-se para o centro da cidade. Lukachenko dirige a Bielorrússia há 16 anos com braço de ferro e quer agora manter-se à frente do país durante mais cinco anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.