Haider pede apoio de Sarkozy e Merkel no Dia dos Direitos Humanos

A activista saaraui em greve de fome há 24 dias no aeroporto de Lanzarote (Espanha) pediu o apoio do presidente francês e da chanceler alemã, a propósito do Dia Internacional dos Direitos Humanos que se assinala quinta-feira.

Aminatu Haidar enviou cartas a Nicolas Sarkozy e a Angela Merkel com data de 10 de Dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, divulgou hoje a Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental.

"Enquanto escrevo, o meu espírito permanece forte, mas sinto a minha força física a desaparecer rapidamente", diz Haidar nas cartas, nas quais pede o "apoio urgente" daqueles responsáveis, dos seus governos e dos povos de França e da Alemanha.

"Apoio não apenas para mim, mas para todo o povo saaraui que nos últimos 34 anos tem sido forçado a viver ou sob uma injusta e brutal ocupação no Saara Ocidental ou em desolados campos de refugiados no deserto argelino", escreve.

Mais de 165 mil saarauis vivem em campos de refugiados, segundo o movimento independentista Frente Polisário, que reclama, com o apoio da Argélia, a independência do Saara Ocidental, uma antiga colónia espanhola que foi anexada pelo reino de Marrocos em 1975.

Aminatu Haidar apela aos governos francês e alemão que "façam tudo o que possam para pressionar Marrocos a aceitar uma solução para este conflito que respeite a lei internacional".

Nomeadamente, que Marrocos permita às Nações Unidas realizarem um referendo sobre a auto-determinação do Saara Ocidental, "pare com as detenções arbitrárias, a tortura e o desaparecimento de defensores dos direitos humanos no Saara Ocidental ocupado" e que liberte os presos de consciência nas prisões marroquinas.

A activista pede ainda pressão sobre Marrocos para que seja autorizada a voltar a casa para junto dos filhos.

Numa carta datada de 07 de Dezembro, também divulgada pela Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental, Hayat El Kassimi, filha de Aminatu Haidar, de 15 anos, e o irmão Mohamed el Kassimi, de 13 anos, pediram o apoio de "todas as crianças do mundo inteiro" e de "todas as mães" para o regresso da activista a casa.

Aminatu Haidar foi expulsa a 14 de Novembro do Saara Ocidental para a Espanha pelas autoridades marroquinas, que lhe confiscaram o passaporte.

Nascida em 1967 em El Aiun, Aminatu Haidar foi galardoada com o Prémio de Direitos Humanos Robert F. Kennedy, o austríaco Silver Rose Award e o Prémio de Direitos Humanos Juan María Bandrés.

O Dia Internacional dos Direitos Humanos assinala a data em que a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou, em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG