Fritzl condenado a prisão perpétua em hospital psiquiátrico

Os jurados do Tribunal austríaco de Sankt-Polten  reconheceram que Josef Fritzl é “culpado” pela morte do bebé, nascido da relação incestuosa que mantinha com a sua filha Elisabeth. Face a isto, o homem que manteve a filha sequestrada durante 24 anos, vai passar o resto da sua vida num hospital psiquiátrico.

Horas antes de ser conhecido o veredicto dos jurados do tribunal de Sankt-Polten, Elisabeth Fritzl tinha afirmado desejar que o seu pai pagasse “até à morte” pelos crimes que cometera. A decisão que saiu do tribunal foi nesse sentido: Josef Fritzl foi considerado culpado de “homicídio por negligência” do bebé que teve com a sua própria filha e, como tal, condenado a prisão perpétua mas num hospital psiquiátrico.

Os jurados reconheceram ainda que Fritzl era culpado de todas as outras acusações: rapto, escravidão, incesto, violação, chantagem e privação da liberdade das crianças.

Na véspera do veredicto e num  volte-face que surpreendeu o advogado de defesa, Fritzl reconheceu-se culpado dos crimes que lhe imputavam. Segundo alguns fê-lo após ouvido o testemunho da filha que manteve sequestrada durante 24 anos na cave da casa da família; segundo outros, fê-lo para ter a hipótese de passar o resto da vida num hospital psiquiátrico e não na cadeia. Conseguiu-o.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG