Francisco canonizou os papas da coragem

Missa em Roma com centenas de milhar de pessoas por causa de João XXIII e João Paulo II.

Foram ambos papas que "tiveram a coragem" de aceitar o evangelho e de ver em cada pessoa a "carne do irmão". O Papa Francisco referiu-se deste modo aos seus dois predecessores que acabou de proclamar como santos, pouco depois das 10:00 da manhã, em Roma (9:00 em Lisboa): João XXIII foi o Papa da "docilidade ao Espírito Santo" e João Paulo II "o Papa da família". Ambos fizeram por "restabelecer e actualizar a Igreja segundo a sua fisionomia originária".

A escutar a homilia, entre 850 concelebrantes (incluindo 150 cardeais), estava o emérito, Bento XVI, que apareceu de bengala mas aparenta uma relativamente boa forma física - ao contrário do Papa Francisco, cuja voz manifesta algum cansaço.

O rito de canonização começou com o cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos (onde sucedeu ao português José Saraiva Martins), a solicitar ao Papa que os nomes de João Paulo II e João XXIII fossem inscritos no catálogo dos santos da Igreja Católica. Francisco respondeu em seguida, de acordo com a fórmula ritual, que os até agora beatos eram declarados e definidos como santos.

A Praça de São Pedro e as imediações - nomeadamente a Via della Concilliazione - está cheia, com centenas de milhar de pessoas, mesmo se com espaços para circulação. Entre os estrangeiros, os polacos - compatriotas de João Paulo II - estão em maioria.

Os dois novos santos, acrescentou Francisco na homilia que terminou há minutos, viveram de forma intensa o apego ao "essencial do evangelho, isto é, o amor, a misericórdia, com simplicidade e fraternidade".

O "Papa da família", foi como Francisco baptizou o primeiro polaco da história a exercer aquele cargo. Porque João Paulo II disse uma vez que queria ser assim recordado e porque foi dessa forma que Wojtyla assumiu o seu serviço ao povo de Deus, acrescentou Francisco. "Apraz-me sublinhá-lo no momento em que estamos a viver um caminho sinodal sobre a família e com as famílias, um caminho que ele seguramente acompanha e sustenta do céu", acrescentou Francisco, numa referência ao Sínodo dos Bispos sobre a família, convocado para outubro próximo.

Já sobre João XXIII, que em 1959 convocou o Concílio Vaticano II (realizado entre 1962 e 1965), o Papa afirmou que ele se deixou conduzir pela "docilidade ao Espírito Santo" e foi um pastor para a Igreja. A convocação do concílio, uma espécie de magna assembleia de debate e decisão para a Igreja, que reúne os bispos de todo o mundo, foi decisiva para trazer o catolicismo para o século XX.

A decisão de canonizar dois dos mais importantes papas do século XX corresponde também à grande popularidade de ambos: depois do formalismo de Pio XII, a eleição de João XXIII aproximou o Papa das pessoas e João XXIII, que é admirado em todo o mundo católico, é muito respeitado e venerado em Itália. Com João Paulo II e as 104 viagens por ele realizadas a 129 países, a aproximação do papado às pessoas tornou-se global e chegou a todo o mundo. E já quando da sua morte, havia milhares de pessoas que pediam a sua imediata proclamação como santo. Nove anos depois, está feita a sua vontade.

* jornalista do blogue http://religionline.blogspot.pt

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?