França admite suspender o acordo de Schengen

A França está considerar suspender temporariamente o acordo de Schengen sobre livre circulação de pessoas na Europa, devido ao fluxo de imigrantes da Tunísia e Líbia, através da Itália, disse hoje a presidência francesa.

A questão da imigração é um dos pontos mais sensíveis da cimeira franco-italiana que se realiza na próxima terça-feira, em Roma, com o líder italiano Silvio Berlusconi e o presidente francês Nicolas Sarkozy.

No domingo passado, Paris provocou protestos dos italianos pela suspensão da circulação de comboios da cidade italiana de Ventimiglia para o sudeste da França, por considerar que um comboio com manifestantes a bordo querendo acompanhar os imigrantes tunisinos representava uma ameaça de perturbação da ordem pública.

A França, por sua vez, reagiu mal à decisão da Itália de conceder autorizações de residência de seis meses a mais de 20 mil tunisinos, entre os chegaram às suas zonas costeiras, para que possam juntar-se aos "amigos e parentes" em França e no resto da Europa. "Existe uma regra que prevalece no acordo de Schengen segundo a qual o primeiro país de entrada gere as populações migrantes", lembrou na passada segunda-feira o ministro do Interior francês Claude Gueant.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG