Eurodeputados trocam insultos por causa da Suíça

O Parlamento Europeu (PE) realizou hoje um debate sobre o resultado do referendo suíço de dia 9, em que a maioria dos eleitores, 50,3%, votaram a favor do "Sim" à imposição de quotas para imigrantes e mão-de-obra estrangeira. Durante o mesmo debate, os ânimos exaltaram-se e alguns eurodeputados trocaram acusações, nomeadamente Daniel Cohn-Bendit (dos Verdes) e Bruno Gollnisch (da Frente Nacional).

O debate foi interrompido pelo eurodeputado italiano Mario Borghezio, membro do partido nacionalista italiano Liga Norte, que, de bandeira suíça em punho, gritou em francês e em italiano as seguintes frases: "Sim ao referendo, sim à liberdade do povo" e "chega de ditadura europeia sobre o povo".

Daniel Cohn-Bendit, dos Verdes, apelou depois à ordem e interpelou Bruno Gollnisch: "Vocês são uns cretinos acabados porque não compreenderam os valores da Europa". Gollnisch respondeu: "Tenho grande admiração pela sua inteligência e plena humildade pela minha cretinice".

O debate versava sobre o futuro das relações entre a União Europeia e a Suíça depois do resultado do referendo de dia 9, o qual foi promovido pelo partido nacionalista suíço SVP.

"Não podemos aceitar que a livre circulação de pessoas seja posta em causa", insistiu a socialista Hannes Swoboda, para quem é preciso devolver à Suíça a decisão de se se aproxima ou se se afasta da Europa.

Cohn-Bendit, no debate, afirmou que é preciso "não desresponsabilizar os suíços". E previu que estes "voltarão de joelhos porque precisam da Europa" porque "60% das exportações suíças vão para a UE". O eurodeputado dos Verdes acrescentou: "Cabe à Suíça encontrar soluções".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG