EUA enviam 'destroyer' para o mar Negro

Em plena tensão com a Rússia por causa da instabilidade na Ucrânia, os EUA fizeram hoje dois anúncios com alguma importância: o primeiro é o de que o decidiram impor restrições de vistos para algumas pessoas e que estão a ponderar o congelamento de bens de outras tantas; o segundo é o de que enviaram um 'destroyer' para o mar Negro.

"As operações do ['destoyer' americano lança-mísseis] USS Truxtun estavam previstas muito antes da sua partida dos EUA", indicou a Marinha dos EUA num comunicado citado pela AFP. No mesmo documento, explica-se que o 'destroyer' partiu da base grega de Souda Bay esta manhã "para exercícios conjuntos no mar Negro com as forças navais romenas e búlgaras". As operações são classificadas como "de rotina".

No entanto, nota a AFP, apesar de o USS Truxtun ter partido dos EUA muito antes do início da crise ucraniana e da intervenção das forças russas na península da Crimeia, a presença de um navio deste género na região pode ser interpretada como uma mensagem a Moscovo. A embarcação tem 300 tripulantes e é um dos 'destroyers' mais recentes. Está equipado, nomeadamente, com várias dezenas de mísseis Tomahawks, mísseis anti-aéreos e de luta anti-submarina.

Na segunda-feira o Pentágono suspendera toda a cooperação militar com a Rússia, depois de Moscovo ter autorizado uma intervenção russa na Crimeia. Na quarta-feira, o secretário da Defesa dos EUA, Chuck Hagel, anunciara já que os norte-americanos reforçaram os exercícios aéreos conjuntos com a Polónia e aumentaram a sua participação na missão de vigilância aérea da NATO nos países bálticos, subindo de quatro para dez o número de caças F-15 que estão a assegurar a proteção do espaço aéreo da Lituânia, Letónia e Estónia.

Hoje ainda, Washington anunciou a aplicação de restrições a vistos para algumas pessoas, sem especificar quais, ameaçando ainda congelar os bens dessas e outras pessoas, no contexto da crise entre a Ucrânia e a Rússia."O departamento de Estado pôs hoje em prática restrições aos vistos de um certo número de responsáveis e indivíduos, reflectindo assim uma decisão política" que consiste em recusar vistos àqueles que ameaçam a soberania da Ucrânia. A Casa Branca não deu, para já detalhes, sobre quem são os visados pela restrição de vistos, mas fonte anónima citada pela AFP diz que serão tanto responsáveis ucranianos como russos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG