Escoceses em Portugal:"É terrível não podermos votar"

Allen, Gail e Ross fazem parte do milhão de escoceses que vivem fora da Escócia. Não podem votar. Regras do referendo. Estão indignados e dividem-se quanto ao resultado.

Na véspera do referendo que vai decidir a independência ou não da Escócia, há pouca convicção na decisão do sentido de voto. Mesmo entre os escoceses que não irão às urnas. "Não podermos votar é terrível", diz Gail Buchanan, que escolheu o Algarve para viver depois de se reformar, apesar de não estar certa de que, se pudesse, daria o "sim" à independência. Uma certeza tem: a de que devia ter direito a participar na decisão.

Com uma população inferior a 5,5 milhões de habitantes na Escócia, cerca de um milhão de escoceses estão fora do país. Como Gail e o marido, Ross Buchanan, que depois de uma visita ao Algarve, há dez anos, escolheram a zona de Tavira para viver a reforma. "Escolhemos viver noutro local mas o nosso coração e as nossas famílias permanecem na Escócia, vamos lá regularmente, estamos ligados ao país e continuamos a pagar os nossos impostos lá", diz ao DN Gail Buchanan, professora reformada, 62 anos, que vive no Algarve há quatro e meio.

"É incrível e algo estranho até", concorda o marido, Ross. "É uma decisão completamente errada. Vivemos em Portugal mas adoramos o nosso país, continuamos a ser escoceses e vamos lá com muita regularidade", afirma, lamentando a opção das autoridades da Escócia.

Menos certezas existem quando o assunto deixa de ser o ato de votar e passa a ser o sentido de voto e o resultado esperado no referendo. "É muito difícil tomar uma decisão porque não temos informação suficiente, a minha opinião muda semanalmente. Neste momento votaria "sim", pela independência." O que desperta tantas dúvidas em Gail? "Não tem que ver com o facto de não querer fazer parte de Inglaterra, ou que haja algo entre os dois países - eu adorava continuar a pertencer ao Reino Unido. Mas não estamos contentes pela forma como Londres trata o nosso país e lida com os nossos recursos [naturais]." Incluindo as grandes reservas de petróleo que existem no mar do Norte.

LEIA MAIS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG