Erros de pilotagem e de sondas condenaram voo 447

O acidente do voo 447 da Air France, que fazia a rota Rio de Janeiro-Paris, em 2009, deveu-se ao congelamento das sondas Pitot, perda brusca de velocidade e erro de um co-piloto

O jornal francês Le Figaro divulga hoje que o relatório produzido pelo Escritório de Investigações e Análise (BEA, na sigla em francês), que analisou os dados e gravações das caixas-pretas, informa que o acidente foi causado pelo congelamento das sondas Pitot, perda brusca de velocidade da aeronave e erro de um co-piloto.

Segundo o diário, o relatório assegura que a tripulação não conseguiu entender os problemas registados no avião e que foi incapaz de resolver a situação a tempo de evitar a tragédia.

De acordo com o relatório, o copiloto menos experiente não teria recebido formação para lidar com perda de velocidade da aeronave.

O diário descreveu o que ocorreu na cabine de comando depois de o comandante ter deixado o cockpit para descansar. Um co-piloto experiente sentou-se no lado esquerdo da cabine do Airbus, o outro co-piloto, o menos experiente, ocupou o assento do lado direito do avião.

Logo após o piloto automático ter sido desligado, devido ao congelamento das sondas externas, o copiloto da direita puxou os controlos, levantando o nariz da aeronave e subindo até aos 37.500 pés.

O relatório vai sustentar que esta manobra "é incompreensível", pois o procedimento correto no caso seria desacelerar a aeronave.

Ainda de acordo com o Le Figaro, o relatório aponta que o copiloto da esquerda terá perdido segundos preciosos ao tentar chamar o comandante através de um alarme, ao invés de lidar com a avaria.

Quando o comandante regressou ao cockpit, os co-pilotos informaram que não estavam a perceber o que estava a acontecer e também o comandante "foi incapaz de analisar a situação".

O voo AF 447 da Air France (Airbus A330), que fazia a rota Rio de Janeiro-Paris, sobrevoava o Oceano Atlântico quando desapareceu dos radares na noite de 31 de maio de 2009 com 228 pessoas a bordo.

Cento e cinquenta e quatro corpos foram encontrados entre os destroços do avião e retirados do mar, após o acidente, em missões de resgate. Entre as vítimas de 32 nacionalidades, estão 59 brasileiros e 72 franceses.

As duas caixas negras, que registaram os parâmetros do voo e as conversas na cabine dos pilotos, foram resgatadas do fundo do mar no início de maio, após passarem 23 meses a 3,9 mil metros de profundidade no Oceano Atlântico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG