Dez mortos devido a cheias na Europa Central

Pelo menos dez pessoas morreram, várias estão desaparecidas e milhares ficaram desalojadas na Europa Central devido às inundações, que afetaram especialmente a Alemnaha, Áustria e República Checa, segundo as autoridades.

Na República Checa, onde o Governo decretou o estado de emergência para toda a região da Boémia, no oeste do país, sete pessoas morreram e várias estão ainda desaparecidas devido às enxurradas que obrigaram mais de oito mil pessoas a abandonar as suas casas.

Um casal morreu no domingo nos arredores de Praga, sob os escombros da sua casa, que ruiu, e mais dois cadáveres foram descobertos no norte do país.

Em Benesov, 40 quilómetros a sul da capital, um homem morreu afogado e um eletricista morreu ao tocar num transformador inundado.

Uma mulher morreu quando uma árvore lhe caiu em cima em Pruhonice, também nos arredores de Praga.

Em várias das regiões afetadas, os habitantes tentaram como puderam travar a subida das águas, erguendo diques improvisados com sacos de areia.

No jardim zoológico de Praga, na margem do rio Vltava, que transbordou, cerca de mil animais tiveram que ser retirados para locais mais altos, para evitar a mortandade que se verificou nas cheias de 2002.

A câmara municipal da capital checa prevê que o nível das águas do rio atinja o ponto mais alto na terça-feira. O mau tempo causou perturbações nos transportes e levou ao fecho de escolas e fábricas.

Na Alemanha, o mau tempo agravou-se hoje no sul e no leste do país, com as águas a subirem para níveis recorde, ultrapassando inundações de anos anteriores.

Centenas de habitantes da região de Salzburgo, na Áustria foram retirados de suas casas. O exército foi mobilizado para as ajudar e tentar travar a subida das águas.

Um homem de 58 anos que tinha desaparecido no domingo na região de Voralberg, no oeste do país, foi hoje encontrado morto.

Na Suíça, um homem de 72 anos morreu afogado quando um rio transbordou no cantão de St-Gall.