Criminoso de guerra nazi terá fugido

Laszlo Csatary, o criminoso de guerra nazi que foi localizado em Budapeste por dois jornalistas do jornal britânico Sun, terá fugido antes de as autoridades húngaras chegarem à sua residência, noticia o jornal francês Le Figaro.

"Papá Csatary" é como o conhecem os vizinhos, que o descrevem como um nonagenário calmo. No entanto, Laszlo Csatary, de 97 anos, está no topo da lista dos mais procurados do mundo, segundo o Centro Simon Wiesenthal. O fugitivo é acusado de cumplicidade na morte de 15 700 judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Csatary foi chefe da polícia de Kosice, na atual Eslováquia, de onde mais de 15 mil judeus foram deportados para o campo de extermínio de Auschwitz. Csatary foi condenado à morte em 1948 na Checoslováquia e refugiou-se no Canadá, onde se tornou negociante de arte, sob falsa identidade. Em 1995, as autoridades canadianas descobriram o seu nome real mas Csatary conseguiu fugir.

Para o presidente da Associação de Comunidades Judaicas na Hungria, Peter Feldmayer, o comandante "era particularmente sádico". "Ele criou um campo especial para torturar os ricos, para que confessassem onde escondiam o seu dinheiro", afirmou ao jornal francês Figaro.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras