Copiloto desviou avião etíope para pedir asilo

O pirata do ar que esta madrugada provocou o desvio de um voo da Ethiopian Airlines, que fazia a ligação entre Addis Abeba e Roma, era afinal o copiloto desse mesmo voo e foi detido pelas autoridades, anunciou um porta-voz do aeroporto de Genebra, na Suíça, onde o avião aterrou de emergência.

O homem, de 31 anos, afirmou que "se sente ameaçado" no seu país e pediu asilo político à Suíça, indicou Bertrand Stampfli, acrescentando que o copiloto aproveitou uma ida do comandante de bordo à casa-de-banho para se fechar sozinho no 'cockpit' do avião.

O avião, um Boeing 767, aterrou no aeroporto da cidade suíça cerca das 06.20 locais (05.20 em Lisboa).

Todos os passageiros abandonaram já o aparelho, sãos e salvos, acrescentou o porta-voz, Bertrand Stämpfli.

Segundo a imprensa, o piloto deu o alerta de sequestro quando o avião sobrevoava o Sudão. O aparelho aterrou em Genebra rodeado de aviões militares.

De acordo com a informação publicada na página de Internet do aeroporto, citada pela agência Efe, quando o piloto anunciou a sua intenção de aterrar em Genebra foram suspensas temporalmente todas as aterragens e os aviões encaminhados para outros destinos.

A Ethiopian Airlines assegurou que os passageiros e tripulação do avião sequestrado que voava hoje entre Addis Abeba e Roma estão "a salvo" depois da aterragem em Genebra.

O voo ET-702 descolou da capital etíope pelas 00.30 (21.30 de domingo em Lisboa) e tinha chegada prevista a Roma pelas 04.40 (03.40 em Lisboa) quando "foi forçado a voar para o aeroporto de Genebra", explicou a companhia.

Exclusivos