Comissão Europeia quer mais reciclagem

A Comissão Europeia adotou hoje propostas para aumentar a reciclagem na Europa com a ambição de acabar com o ciclo vicioso de "produzir, consumir, descartar".

Num projeto destinado a desenvolver uma legislação fixa para a gestão de resíduos, a Comissão apela aos Estados-Membros que redobrem os esforços para reduzir os impactos ambientais, a diminuição das emissões de gases, bem como para minimizar a acumulação de lixo marinho e de resíduos alimentares.

Estas medidas, segundo a UE, permitiriam criar cerca de 180 mil novos postos de trabalho diretos e gerar uma economia à volta de 600 mil milhões de euros, possibilitando um melhor controle sob a produção de resíduos. Tendo em vista uma reciclagem de cerca de 70% dos resíduos municipais e de 80% dos resíduos de embalagens até 2030, Bruxelas contempla ainda a possibilidade de proibir a colocação de resíduos recicláveis em aterros a partir de 2025.

A Comissão explica que a revisão das leis comunitárias pretende incentivar à transição de uma economia "linear" - materiais que se usam uma única vez - para uma economia mais "circular" - materiais que podem ser reutilizados.

"Numa economia circular, a reutilização, a reparação e a reciclagem tornam-se norma, e os resíduos fazem parte do passado. Ao utilizar mais eficazmente e durante mais tempo os recursos para fins produtivos, a União Europeia melhoraria também a sua competitividade na cena mundial", defende a Comissão Europeia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.