Alemanha quer saber se sementes já estavam contaminadas

Depois de se ter comprovado que a origem do surto infeccioso com uma perigosa estirpe da bactéria E.coli foram rebentos vegetais, as autoridades sanitárias alemãs estão agora a examinar se as respectivas sementes também já estavam contaminadas.

"Adensaram-se os indícios de que as sementes dos rebentos já possam conter a bactéria, embora isso ainda não tenha sido comprovado", disse hoje, em Berlim, um porta-voz do Instituto Federal de Avaliação de Riscos (BfR).

Apesar disso, o BfR recomendou a renúncia ao consumo, quer de rebentos vegetais adquiridos no mercado, quer dos que sejam de produção própria.

A ministra da agricultura e defesa do consumidor, Ilse Asigner, anunciou que as investigações incidem também sobre sementes de rebentos vegetais importadas.

Cerca de 100 pacientes que contraíram a estirpe mais agressiva a E.coli, conhecida por Síndrome Hemolítica Urémica (HUS), sofreram danos tão graves que precisam de um transplante de rim, ou terão de fazer hemodiálise durante toda a vida, disse ao tablóide Bild o porta voz do grupo parlamentar dos sociais democratas para assuntos de saúde pública, Karl Lauterbach.

O mesmo especialista afirmou ainda que a rápida disseminação da bactéria, que contaminou até agora quase três mil pessoas e matou mais de trinta, na Alemanha, se ficou a dever também ao facto de os hospitais comunicarem os casos de contágio ao Instituto Robert Koch, em Berlim, responsável pelo combate a epidemias, através dos correios e não por email.

O ministro da saúde, Daniel Bahr, admitiu, por seu turno, que "há coisas a melhorar" no combate a futuros surtos infecciosos, nomeadamente no que se refere às vias de comunicação entre as instituições envolvidas.

A perigosa estirpe da bactéria E.coli foi detectada pela primeira vez na sexta-feira em rebentos vegetais de uma exploração agrícola em BienenBuettel, na Baixa Saxónia, que já estava sob vigilância sanitária.

Em meados de maio, quando o foco infeccioso começou a ganhar maior dimensão, no norte da Alemanha, o senado de Hamburgo para a saúde pública revelou dizer que a origem da E.coli eram pepinos importados de Espanha, o que se veio a revelar uma falsa pista, que provocou graves prejuízos financeiros a várias explorações agrícolas espanholas.

As autoridades sanitárias alemãs mantiveram, no entanto, até sexta-feira, uma recomendação à população para não consumir pepino, tomate ou salada crus, acatada pela grande maioria das pessoas.

Entretanto, a União Europeia criou um fundo de 210 milhões de euros para indemnizar horto fruticultores de vários países que se viram impedidos de comercializar os seus produtos por causa da E.coli.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG